Novos Voos - Take Two

sábado, julho 31, 2004


Cegonha%201.JPG


Cegonha%202.JPG


Cegonha%203.JPG


Escrito por: VdeAlmeida, em 7/31/2004 09:52:00 da tarde | Permalink | | ( 3)Comentários
quinta-feira, julho 15, 2004
Music that flies with me
 
g30580panv0.jpgg39826a339a.jpgCOVERSfS_t.gifwlisa000.jpge14754dl30e.jpge303324rhvi.jpg
I-Magnetic Fields; Riot on a Empty Street-Kings of Convinience; Songs for Someone-Perry Blake; Heaven, Earth and Beyond-Lisa Ekdahl; Live-Jeff Buckley; Pink Moon-Nick Drake
p56932vcs2f.jpgg23836aap9e.jpgg20836oyoc1.jpgf92520jdmsg.jpgg31326unkw1.jpgg30597h3au9.jpg
Soul Sessions-Joss Stone; Grown Backwards-David Byrne; Want One-Rufus Wainwright; O-Damien Rice; Madame George-Van Morrison; Absent Friends-Divine Comedy
g03230r5nrs.jpgf25015uf0fd.jpgf94643t7dwi.jpgB000231W6G.08.LZZZZZZZ.jpgf67553mxliw.jpgg12318ibetb.jpg
The Soul of a Man-A Film by Wim Wenders; Blood Money-Tom Waitts; So much for the city-The Thrills; Home-Benjamim Biolay/Chiara Mastroianni; Very Best-Gary Moore; Chicago 1964-Buddy Guy & Junior Wells

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/15/2004 10:16:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Estórias exemplares


0052.jpg


Uns dias de ausência, aproximam-se. O sol chama-me e eu não resisto à chamada, cumprindo um ritual que vem de há muito: uns dias sem fazer nada (continuando assim um hábito diário), nada de ginástica, só mesmo sol e mar e umas leituras que se põe em dia.
Aqui, talvez uma saltada fugaz, se houver algum cyber-café a jeito, para espreitar a caixa de correio.
Portanto sábado, este vosso amigo voa rumo ao sul. Mas até lá ainda haverá uma ou outra coisita aqui deixada. Quem sabe não farei a vontade a alguns e deixarei aqui mais uns "pedaços de mim"?

Mas por hoje ficam duas histórias exemplares.

A Inês ontem, ao comentar os pés dos meus "Pedaços", disse que gosta de olhos. Aqui fica uma pequena história do Mário Henriques Leiria, em que nos damos conta de como os olhos podem ter uma influência decisiva na nossa vida

Estendeu os braços carinhosamente e avançou, de mãos abertas e cheias de ternura.
-És tu Ernesto, meu amor?
Não era. Era o Bernardo.
Isso não os impediu de terem muitos meninos e não serem felizes.
É o que faz a miopia


A segunda já aqui tinha deixado, nos primórdios do meu antigo blog, mas não resisto a repeti-la, porque ela mostra bem como pode ser efémera a popularidade, e de como os tais "15 minutos de fama" podem, afinal, ter efeitos nefastos

Hugo, um rapaz de voz potente, preparou cuidadosamente a sua estreia como fadista.
O espectáculo decorria no Salão da junta de Freguesia.
Como era de esperar, foi um sucesso e o público, generoso, não lhe regateou aplausos.
Ovacionou mesmo de pé, clamando:
-Bravo! Bravo!Bis! Bis, Hugo, Biz Hugo, Biz...ugo! Bizugo!

Foi nessa altura que passou um gato e o comeu.

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/15/2004 09:45:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
quarta-feira, julho 14, 2004
Pedaços de mim - Parte II

Misto0003.JPG


A helena lembrou-me a música de quem nunca me devia esquecer: esta
Lembrei-me também, que gostaria que fosse a par com ela, que os meus passos seguissem o sol.

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/14/2004 03:57:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
terça-feira, julho 13, 2004
Elegia


f070028.jpg


Se um qualquer nascer do sol tivesse forma
Só podia ser a tua de tão bela
Tu és lua e és cometa e és estrela

Dissolve-me o olhar
nesse teu corpo
Imagina, ânsia de ti
meus dedos leves
Os lábios sequiosos
de sabores
Perdendo-se em
teus recantos olorosos
Fantasia lençois rubros
de emoção
Suores correndo juntos
como um rio
Dá livre curso
à imaginação
E assim iremos nós
mesmo apartados
Viver noites sedosas
de paixão

Foto daqui

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/13/2004 10:43:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Pedaços de mim

Misto0019.JPG


Escrito por: VdeAlmeida, em 7/13/2004 01:33:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, julho 12, 2004
As Horas


quadro6.JPG


Nunca consigo entender
Porque há-de o homem sofrer
Desta maldade suprema
Que é medir cada segundo
Que ainda tem para viver
Tanto que nós nos queixamos
Que o tempo nos foge
Entre os dedos
Que para rir, para amar
precisamos
De tempo, tempo e mais tempo
E para viver e sonhar
É sempre pouco o que temos.
Não nos basta a todos já
que o dia à noite suceda
em imparável sucessão
Dando-nos assim a noção
Fatal e inevitável
Que quanto mais os dias correm
Menos tempo a nós nos sobra
Para o que é indispensável

Para que haveremos então
De o querer encerrar
Numa caixinha metálica
Para o analisarmos, medirmos
Até à ínfima fracção?

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/12/2004 11:19:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
Neruda, sempre!


pablo3.jpg


Perfazem-se hoje 100 anos desde o dia em que nasceu Pablo Neruda, o imortal autor d'Os Versos do Capitão, o poeta do amor. Nós que lhe amamos as palavras, não o deixaremos nunca morrer.

"Aquí te amo
En los oscuros pinos se desenreda el viento.
Fosforece la luna sobre las aguas errantes.
Andan días iguales persiguiéndose.

Se desciñe la niebla en danzantes figuras.
Una gaviota de plata se descuelga del ocaso.
A veces una vela. Altas, altas estrellas.

O la cruz negra de un barco.
Solo.
A veces amanezco, y hasta mi alma está húmeda.
Suena, resuena el mar lejano.
Este es un puerto.
Aquí te amo.

Aquí te amo y en vano te oculta el horizonte.
Te estoy amando aún entre estas frías cosas.
A veces van mis besos en esos barcos graves,
que corren por el mar hacia donde no llegan.

Ya me veo olvidado como estas viejas anclas.
Son más tristes los muelles cuando atraca la tarde.
Se fatiga mi vida inútilmente hambrienta.
Amo lo que no tengo. Estás tú tan distante.

Mi hastío forcejea con los lentos crepúsculos.
Pero la noche llega y comienza a cantarme.
La luna hace girar su rodaje de sueño.

Me miran con tus ojos las estrellas más grandes.
Y como yo te amo, los pinos en el viento,
quieren cantar tu nombre con sus hojas de alambre"
.
(Vinte Poemas de Amor e uma Canção de Desespero)

"Os teus joelhos, os teus seios,
A tua cintura,
Faltam em mim como no côncavo
duma terra sedenta
a que retiraram
uma forma,
e, juntos,
estamos completos como um só rio,
como um só areal
."
(Os Versos do Capitão)

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/12/2004 09:28:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
domingo, julho 11, 2004
Natália e a hipocrisia


de-lempicka-tamara-la-belle-rafaello-2405290.jpg


Ao reler uma Antologia Poética de Natália Correia, deparei-me com um poema, mordaz, que a poetisa dirigiu a um deputado que me excuso de referir o nome - ela o faz - , originado por tomadas de posição diversas em relação ao aborto . Penso que terá sido a primeira vez que essa problemática terá sido debatida na Assembleia.
Agora, passados 22 anos, é curioso verificar que ainda há quem mantenha as mesmas posições retrógradas sobre o assunto, e que ainda haja mulheres presentes a tribunal por terem cometido a "infâmia".

" O acto sexual é para fazer filhos" (sic), disse o tal deputado

Aqui fica então a resposta de Natália à hipócrita declaração

"Já que o coito - diz Morgado -
tem como fim cristalino
preciso e imaculado
fazer menino ou menina;
e cada vez que o varão
sexual petisco manduca,
temos na procriação
prova de que houve truca-truca.
Sendo pai só de um rebento,
lógica é a conclusão
de que o viril instrumento
só usou - parca ração! -
uma vez. E se a função
faz o órgão - diz o ditado -
consumada essa excepção,
ficou capado o Morgado"

Pintura de Tamara de Lempicka daqui

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/11/2004 12:37:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
sábado, julho 10, 2004
Week-End
Hoje, mais uma vez o tempo me manda embora da praia por que há muito suspiro e remete-me para a pacatez de uma tarde passada estendido no sofá, estores corridos e sono a ameaçar. Vou escolher o que fazer. Faço lista? Não me parece necessária
1 - Revejo o filme do génio Tati. Dar-me-á para levantar o astral e não pensar mais no que queria e não tenho?


hulot-aff.jpg


2 - Leio John Donne a quem prezo e em quem acredito. E para que conste que se não deve amar, sob pena de se poder morrer desnecessariamente, aí fica um poema dele:

O Paradoxo

Amante nenhum anuncia "Amo"
Ou imagina haver amante outro perfeito;
Não pensa que além de si existe quem possa amar, nem aceita
que alguém ame, excepto ele próprio:
Eu não posso dizer que amei, pois quem poderá dizer
Que foi assassinado?
O amor mata o jovem mais com excessos de calor
E o velho com demasiado frio.
Morremos apenas uma vez, e quem amou foi o último a morrer,
Quem o diz duas vezes agora jaz:
Pois ainda que parecesse mover-se e agitar-se um pouco
Enganava nossos sentidos.
Esta vida é como a luz que ainda brilha
Quando a luz da vida já se encontra extinta,
Ou como o calor duas horas depois já apartado
do fogo sólida matéria.
Amei e morri uma vez; agora me tornei
Minha própria tumba e epitáfio.
Aqui os mortos dizem suas últimas palavras, e assim eu também,
Morto de amor, vê, aqui jazo.

3 - Falta-me a música. Ouço Lisa Ekdal, Heaven, Earth and Beyond

Esta voz tem o dom de me serenar. Take my pain away. Quase adormeço, e no entanto, ela não me deixa dormir. Porque me mantem as emoções despertas. Esta voz acaricia-me a pele, como uma mão de seda, como se tivesse dedos de veludo. Logo, deixo aqui as palavras que ela me sussurra ao ouvido.
Agora não estou aqui. Estou noutro qualquer lugar, para lá do horizonte. Sonho.

Cá ficam as palavras ciciadas:
This night
I awoke
Out from dreams
Of tall cascading fontains
Of love
I'm floating like a dove
Covered from above
With fountains of love

And you
Fly with me
Through a scene
Of deep caressing rivers
Of love
Soft as a dove
It's you i'm dreaming of
With rivers of love

Flowing from above
Knowing only of
Rivers of love

(Salvador Poe)

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/10/2004 12:28:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
sexta-feira, julho 09, 2004
Choro


0003.jpg


C
h
o
r
o

s
o
b
r
e

a

t
u
a


ausência



Foto José Marafona

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/09/2004 10:17:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
quinta-feira, julho 08, 2004
Ensina-me tu


lrgcass04.jpg


Breakfast en Bed by Mary Cassatt


Nessa altura, o cientista fez uma grande demonstração da descoberta a um Congresso Internacional de Astronomia. Mas ninguém o levou a sério, por causa da maneira como estava vestido.
Felizmente, para a boa reputação do Asteróide B-612, um ditador turco lembrou-se de impor ao seu povo, mas impor-lhe sob pena de morte, que passasse a trajar à ocidental. O astrónomo tornou a fazer a demonstração em 1920, agora muito bem posto. E toda a gente a aceitou.
Se vos contei isto tudo sobre o asteróide B-612 e se vos confiei o número dele, foi por causa das pessoas crescidas. As pessoas crescidas gostam de números. Quando lhes falam de um amigo novo, nunca perguntam nada de essencial. Nunca perguntam "Como é a voz dele? A que é que ele gosta mais de brincar? Faz colecção de borboletas?". Em vez disso, pergunram:"Que idade tem? Quantos irmãos tem? Quanto é que ele pesa? Quanto ganha o pai dele?" Só então julgam ficar a saber quem é o vosso amigo. Se contarem às pessoas crescidas:"Hoje vi uma casa muito bonita de tijolos cor-de-rosa, com gerânios nas janelas e pombas no telhado..." As pessoas crescidas não conseguem imaginá-la. Precisam de lhes dizer:"Hoje vi uma casa que custou 500 mil euros" Então já são capazes de a admirar "Mas que linda casa!"
(Le Petit Prince - Antoine St-Exupery)

Deixa-me voltar
a ser como tu
Ingénuo, puro
Inocente
Tira-me esta lente
Que me distorce
O olhar
E não me deixa distinguir
O essencial
Da insignificância
Tu, criança
Que tão bem
sabes ver
De tudo a real
importância
Ensina-me a mim
como se deve viver

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/08/2004 09:46:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Meninos


0218.jpg

Hoje quero-vos dar conta de uma coisa que, nos últimos tempos me tem entristecido ao percorrer esta minha Lisboa
Passo pelos cruzamentos desta nossa cidade, e raro é aquele em que uma mulher, nova, morena, muito morena, de vestes compridas e antiquadas e debraçando invariavelmente uma criança, não se dirige às viaturas paradas pelo sinal vermelho, de mão estendida, em busca de uma moeda.
Li aqui há tempos que se trata de mulheres de etnia cigana, originárias da Roménia. Acreditei, claro.

Entendo que as pessoas saiam dos seus países em busca de melhor vida. Além de sermos um país de emigrantes, os minhas ideias universais levam-me a não gostar muito de fronteiras desenhadas por guerras ou ideais hegemónicos. Além de que, nunca se me manifestou qualquer laivo de xenofobia.

Já entendo menos que as pessoas saiam das suas terras de origem para subsistir através da mendicidade. Li que seriam costumes ancestrais. Pois, a tourada também o é e eu considero a tourada uma barbaridade. E a pena de morte, no séc XIX também o era. Até ser abolida na maior parte dos países. Ou a escravatura.

Agora o que não entendo nem aceito é que se use uma criança para tal propósito. Li até, que algumas dessas crianças não serão filhas das mulheres que as carregam e sim alugadas para servirem de isco à bondade alheia. Nisto, nem sequer quero acreditar.

Sei é que este tipo de mendicidade, em que a criança é utilisada como intolerável chantagem emocional, é proibida por lei. E não vejo as autoridades tomarem qualquer medida. Em contrapartida, e por todo o lado, carros bloqueados são mais que muitos

A mendicidade sempre me doeu. Mais ainda, constatar que o estado, a quem deveria competir a resolução deste flagelo, muito pouco ou nada faz para o resolver. E neste caso, em que estão a ser utilisados crianças de uma maneira quase obscena, parecem mesmo fechar os olhos e assobiar para o lado.

As crianças, não só no caso Casa Pia, devem ser protegidas de todas as formas. E é ao estado que tal compete em primeira instância. Já bem basta não os terem sabido proteger quando os tinham à sua guarda.

...Menino sem condição
Irmão de todos os nus
Tira os olhos do chão
Vem ver a luz

Menino do mal trajar
Um novo dia lá vem
Só quem souber cantar
Vira também

Negro bairro negro
Bairro negro
Onde não há pão
Não há sossego

Menino pobre o teu lar
Queira ou não queira o papão
Há-de um dia cantar
Esta canção...

(Zeca Afonso)

Foto daqui

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/08/2004 01:19:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
quarta-feira, julho 07, 2004
Intervalo amoroso

f609002.jpg


Intervalo amoroso

O que fazer entre um orgasmo e outro,
quando se abre um intervalo
sem teu corpo?
Onde estou, quando não estou
no teu gozo incluído?
Sou todo exílio?
Que imperfeita forma de ser é essa
quando de ti sou apartado?
Que neutra forma toco
quando não toco teus seios, coxas
e não recolho o sopro da vida de tua boca?
O que fazer entre um poema e outro
olhando a cama, a folha fria?

(Affonso Romano de Sant'Ana)

O excedente do tempo,
sem amor
É oco, sem expressão,
falta-lhe a vida,
a cor
O lençol sem dois corpos
em pulsão
É mortalha, é só pano
triste,
oco de paixão
O leito, deserto,
Não é palco de nada
de importância
É só mais uma peça
que compõe
O quadro monótono
do dia
Por isso,
De uma cama vazia
Não quero
Nem estar perto

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/07/2004 03:51:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
terça-feira, julho 06, 2004
Mistificação


portrait8.jpg


Não há mais cartas de amor
Não mais as vais receber
Assim, vais ficar certa que
Não há mais nada a dizer
Que tudo já foi dito
Que já não me inspiras.
Que as tentativas
saem todas frustradas
Que é tudo em vão
Que as minhas musas
já não existem
Matei-as todas
e enterrei-as
com uma destreza
inhabitual
Num canto escuro
da minha imaginação
Nada, não há mais nada
É o vazio absoluto
E mesmo assim,
Ao arrepio da pesada decisão
Ainda pego nesta carta
Para te mandar
Estas linhas a dizer-te
Que o céu está liso
Mas eu tenho a alma de luto
E agora, com tudo
medido e decidido
Afinal a conclusão
a que chego
É a de que sou um
Mentiroso compulsivo
De que sou
Uma mistificação

"Apaixonamo-nos. Desatamos a escrever cartas insensatas que, dificilmente, têm uma resposta. Escrevemo-nos para dizer, um ao outro, que jamais será possível voltar - juntos e em silêncio - ao lugar da noite onde nos destruímos e tentámos refazer a vida "
Al Berto

Foto daqui

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/06/2004 12:02:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, julho 05, 2004
Alma


2402light.jpg

Um dia descobri
sózinho
Que os pássaros
não cantam só por ti
Que os dias húmidos
e perfumados de primavera
Não o são
Porque existes
Descobri por mim
Que o arco-íris
que sobrevoa o açude
claro e saltitante
Com cheiros frescos
mesclados de jasmim
Está para além
da cama onde
comigo fazes amor
E que o sol
não se põe hoje
E volta pela manhã
mais pujante porque sabe
da tua sede de calor

Não, o mundo
não gira só por ti
E no entanto,
perante esse sorriso
espantoso de alegria
que me suaviza a dor
E me acalma
Te digo
que continuas
a ser a minha luz
na noite escura
A minha alma

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/05/2004 12:06:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
domingo, julho 04, 2004
I Have a Dream
Hoje só dá isto:

WE ARE THE

CHAMPIONS



Onde queres que estejas, Martin Luther, desculpa o abuso da tua frase para desígnios tão simples

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/04/2004 06:16:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
sábado, julho 03, 2004
Sugestões para um Lazy Saturday Afternoon


A vida vai em frente. Mesmo que por vezes nos pareça querer parar. Ontem foi um dia de perdas. Mas hoje é outro dia e aqui deixo umas sugestões para um sábado de preguiça
DVD do dia: "One From The Heart", o maravilhoso filme de Francis Ford

Coppolla, com uma banda sonora de sonho de Tom Waitts, cantada por ele e por Crystal Gayle. A não perder. Acabadinho de sair.







Soundtrack:
A do filme, claro. A que poderão juntar o "Home", de Ciara Mastroianni e Benjamin Biolay. Um disco na linha dos de Serge Gainsbourg com a Jane Birkin.









Canção do dia: Pour un Flirt Avec Toi cantado pela Jane Birkin

Livro: Hoje não leio!

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/03/2004 03:32:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
sexta-feira, julho 02, 2004
Sophia de Mello Breyner


flowers-a-big.jpg


O País hoje ficou mais pobre.
Deixou-nos uma das maiores poetisas mundiais de sempre, Sophia de Mello Breyner Anderson. Por ela, para ela, as suas palavras. Ímpares.

As Ondas
As ondas quebravam uma a uma
Eu estava só com a areia e com a espuma
Do mar que cantava só para mim.


Mar
De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua


Espera
Dei-te a solidão do dia inteiro.
Na praia deserta, brincando com a areia,
No silêncio que apenas quebrava a maré cheia
A gritar o seu eterno insulto,
Longamente esperei que o teu vulto
Rompesse o nevoeiro


Promessa
És tu a Primavera que eu esperava
A vida multiplicada e brilhante,
Em que é pleno e perfeito cada instante


Em nome
Em nome da tua ausência
Constuí com loucura uma grande casa branca
E ao longo das paredes te chorei

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/02/2004 09:28:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Ciúme


f245019.jpg


Ciúme.
Leve?Não!
Dorido, torturante
Ciúme
Do lençol que dorme
sobre ti
Ciúme.
Impiedoso, intenso
Da seda da camisa
Que te beija
o peito
Ciume.
Estranho, suspenso
Das meias,
Que te acariciam
as coxas
Ciume.
Pesado, denso
Do sol que de manhã
Te aquece
a pele macia
Do beijo que te dou
E em ti fica
Enquanto eu vou

Ciume.
Dos olhos que te vêm
E ouvidos que te escutam
Da brisa que te afaga
Ciume que doi
E quase mata
Um ciume estranho
Exacerbado
Ciúme violento
Até do teu passado

Foto daqui

Escrito por: VdeAlmeida, em 7/02/2004 02:03:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Estou no Blog.com.pt