Novos Voos - Take Two

terça-feira, maio 31, 2005
Música e outros desafios
Os últimos dias têm sido pródigos em desafios. Pelo menos três, um da minha Viajante preferida (já esperava, depois da literatura e do cinema, faltava mesmo a música), outro da minha Amiga Ana 100Tretas (uma coisa complicada, que ainda não sei como me vou desenvencilhar, mas que pode dar algo de muito divertido), and last but not least, da minha especial Amiga, a sempre carinhosa Jacky (este para um texto)


Mas vamos por ordem, e assim começo hoje pelo desafio sobre música
Aí vai então, Viajante:

Tamanho total dos arquivos no meu computador?
Não tenho uma ideia precisa, mas rondarão os 15 Gb

Último disco que comprei:
Diria antes os últimos. Uma colectânea do Ian Dury que procurava há uns tempos, outro também antigo, Marquee Moon, dos Television, o Cold Roses, do Ryan Adams, e Nova Scotia dos Cousteau



Canção que estás a escutar agora:
O Punishing kisses, da Ute Lemper

5 canções que ouço frequentemente ou que têm algum significado para mim

 14001922_8b9efd0e39_o.jpg14001925_611e4fb3bd_o.gif 14001926_0b82b2dd92_m.jpg12483233_3b5cede308_m.jpg 10157469_8d458265f7_o.jpg


Lucy in the Sky with Diamonds - Beatles
Suite, Judy blue eyes – Crosby, Stills and Nash
Riders on the storm – Doors
Heart of gold – Neil Young
Forbidden colours – David Sylvian
Acrescento mais:
Strange kind of love – Peter Murphy
Amie – Damien Rice
Hallellujah – Jeff Buckley
Henry Lee – Nick Cave & P.J. Harvey


Nem sei se me atreva, mas como alguém disse para aí, que se lixe, e vou mesmo desafiar os seguintes bloggers:

Lina, do Um Olhar Sobre...porque nunca lhe perguntei isto e ela também não me contou
Sofia, do Concrete Sky, porque é uma melómana inveterada e tem muito bom gosto
Amie, da Máquina de Café, porque diz que “não consegue viver sem música”
Inês, do Umbigo, porque embora já sabendo umas coisas através do blog, quero saber mais.
Corpo Visível, do Corpo Visível porque já sei que curte o Ian Curtis, mas quero saber mais

E agora, vou avisar os “felizes” contemplados!

Nota - Ainda a propósito de música, ando a pensar em abrir um blog só dedicado a ela. Isto é uma ameaça!

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/31/2005 02:52:00 da tarde | Permalink | | ( 2)Comentários
sábado, maio 28, 2005

16068567_5c4cce616c_o.jpg


Quando no dia 28 de Maio de 1996, há precisamente nove anos portanto, me levantei para ir como em qualquer outro dia, para o escritório, e embora algo cá dentro me dissesse que não ia ser um dia igual aos outros, nunca pensei que acabasse por se tornar um dia tão marcante na minha vida.
Foi o dia em que nasceste, e a partir desse dia, nada mais foi igual. Quando me ligaram a dizer que tinhas nascido, larguei tudo e corri para a Estefânia. Acho que nunca conduzi tão depressa através da cidade como naquele dia.
Quando te vi através do vidro que me separava dos recém-nascidos, “conheci-te” logo. Só podias ser aquele. Não sei o que me fez “adivinhar-te”, mas aconteceu. E achei-te um espanto. Diziam-me que eras feíozinho, que parecias um joelho. E que não era de admirar, que todos os bebés acabados de nascer eram assim, e que ainda por cima, te tinhas adiantado na vinda.
Mas eu nunca concordei com nada disso. Achava-te o miúdo mais bonito que conhecia. E nunca mudei de opinião até hoje, embora há três anos e tal tenhas companhia nessa minha apreciação.
Depois, foi o crescimento, o ver-te modificar, o ganhares carácter, tornares-te um rapazinho ponderado, por vezes até demais para a tua idade, inteligente sem sobrancerias e sempre diligente nos teus estudos.
E sinto um orgulho enorme por seres assim, sobretudo pela força serena com que ganhas o direito à vida, depois de ela te ter pregado uma partida que não estava no nosso horizonte, mas que tu tens vencido, batalha atrás de batalha, até ao dia em que vencerás a guerra, como eu sei que vencerás.

Do amor que te temos, já há muito que sabes dele. Mas hoje, no dia em que completas nove anos, queria deixar junto com ele, também a expressão de grande admiração que todos temos por ti.

Parabéns, meu querido, que a vida te dê tudo e sejas sempre muito feliz, porque o mereces muito.

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/28/2005 10:31:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
sexta-feira, maio 27, 2005
Reflexo

15959942_fa6ff1d155_o.jpg


Cansado da errância,
exausto da viagem
procuro na distância
a tua imagem
E alongo o olhar ,
em busca do descanso desejado
que só consigo encontrar
do teu lado
Estende-me os braços
suspende-me do teu corpo
deixa acostar os meus navios
no teu porto,
devolve-ne a paz na madrugada
entre suspiros, desejos satisfeitos
e abraços



Foto sobre foto de Paulo Bizarro

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/27/2005 07:00:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
quarta-feira, maio 25, 2005
Post para um feriado de praia

BLACK IS BEAUTIFUL


15635611_e1cfcc46a7.jpg


...e porque o Verão já chegou, e uma onda de calor varre a cidade, e o tempo não está para prosas muito complicadas.
E porque amanhã é feriado e o corpo pede um bronzeado dourado, da cor das praias de Angola, cantadas pelo Chico Buarque, aí fica um post levezinho e a letra da canção

Morena de Angola
Que leva o chocalho
Amarrado na canela
Será que ela mexe o chocalho
Ou chocalho é que mexe com ela?
Será que a morena cochila
Escutando o cochicho do chocalho?
Será que desperta gingando
E já sai chocalhando pro trabalho?
Será que ela tá na cozinha
Guizando a galinha à cabidela?
Será que esqueceu da galinha
E ficou batucando na panela?
Será que no meio da mata
Na moita, morena ainda chocalha?
Será que ela não fica afoita
Pra dançar na chama da batalha?
Morena de Angola que leva
O chocalho amarrado na canela
Passando pelo regimento ela faz requebrar a sentinela?
Será que quando vai pra cama
Morena se esquece dos chocalhos?
Será que namora fazendo bochincho
Com seus penduricalhos?

Morena de Angola
Que leva o chocalho
Amarrado na canela
Será que ela mexe o chocalho
Ou chocalho é que mexe com ela?

Será que ela tá caprichando
No peixe que eu trouxe de benguela?
Será que tá no remelexo
E abandonou meu peixe na tigela?
Será que quando fica choca
Põe de quarentena o seu chocalho?
Será que depois ela bota a canela no nicho do pirralho?
Morela de Angola que leva o chocalho amarrado na canela
Eu acho que deixei um cacho
Do meu coração na catumbela
Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela
Morena, bichinha danada, minha camarada do MPLA
Morena de Angola
Que leva o chocalho
Amarrado na canela
Será que ela mexe o chocalho
Ou chocalho é que mexe com ela?

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/25/2005 04:28:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, maio 23, 2005
Procura

15278622_5dca57cef3.jpg


Procuro em dicionários
e gramáticas
a forma ideal
de te escrever
Recorro mesmo
a fórmulas matemáticas
que poderão dar
aos versos que imagino
exactas e perfeitas
as dimensões silábicas.
Procuro até adormecer
frases complexas,
e os conceitos mais originais
procuro na química
e em livros de alquimistas,
recorro a tudo aquilo
que me possa dar as pistas
para te escrever
prosas de formas ancestrais
Até na música procuro
e desenho sinuosas e estranhas
claves de sol
seguidas de rés é sis bemol
buscando a harmonia desejada
e a ária mais etérea
e só sonhada
Acabei de decidir,
já não insisto.
Não quero desmontar mais teoremas
Espero, sentado à sombra
da natureza renascida
a brisa ardente
que me beija
e sonho com os teus lábios
porque é esse o único,
o mais desejado dos poemas



Foto de Diocleciano Baptista

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/23/2005 02:54:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
sexta-feira, maio 20, 2005
Canto de Esperança

14808673_9721e77833_o.jpg


Em aromas e ocres de verão e Alentejo
abro uma janela sobre o horizonte
e o sol na pele é brando como um beijo
Deixo perder o olhar no azul profundo
do mar imenso que se derrama lá no fundo,
espreguiço-me á manhã que vem suave
e a vida parece-me tão serena e tão leve
que quase me sinto voar nas asas de uma ave

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/20/2005 09:07:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
quarta-feira, maio 18, 2005
Dia dos Museus e obras de Arte

14467908_777932667c_o.jpg


Hoje, a Mad alertou-me através da leitura do seu blog, que é dia dos Museus. Ainda por cima, diz ela que tem no quarto uma das minhas pinturas preferidas do meu pintor do coração, o Vincent (lembram-se da canção que o Don McLean lhe dedicou?). Foi mesmo uma "provocação" (positiva, claro)!
Ora tendo em conta o pouco hábito português de visitar Museus, todos os avisos são bem vindos e por mim, fiquei a ponderar sobre se iria visitar algum, uma vez que tenho a tarde livre, e seria uma maneira de descomprimir até à hora do grande jogo de logo à noite, uma maneira segura de não começar para aí a roer as unhas.
Mas depois olhei pela janela, e vi que o dia está magnífico, o que tem sido raro este ano, e mesmo convidativo a passeio à beira-mar, ou pela cidade, a gozar o sol e a desfrutar das belezas naturais.
E fiquei dividido.
Que escolher? O recolhimento numa sala serena cercado de belas pinturas, de obras de arte, convidativa à reflexão, á descontracção? Ou uma saída, para o ar livre, para as ruas ensolaradas?
Depois de medir bem os prós e os contras, decidi-me pela segunda hipótese. Vou sair por aí, e apreciar as belezas citadinas.
Afinal, a cidade é um enorme museu ao ar livre, e basta estar atento, porque em cada esquina se nos depara uma vista, um monumento, uma paisagem de beleza inebriante, capaz de nos paralisar os sentidos (enfim, quase todos), e deixar quase sem fôlego.

nakedheather.jpg

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/18/2005 01:22:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
terça-feira, maio 17, 2005
Ária

14302746_5d4c652077_o.jpg


Em notas e acordes de suado desejo e sedução
nossos corpos vagabundos se encontram pela noite
e em campo de batalha revolto, devastado e macio
entregam-se sem falsos pudores a todo o desvario
e compõem juntos a mais pura e íntima canção

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/17/2005 03:22:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, maio 16, 2005
Abandono

14153582_a52ade7750_o.jpg


Deixei a alma a vaguear pelo universo
e ao coração solto
em qualquer recanto antigo
fico só corpo,
sem correntes
sem paredes que me fechem
sem abrigo
sou só índole, atracções
estou só comigo.
É estranho, é assim abandonado
quase disperso
cada pedaço para seu lado,
que o puzzle que me compõe
se sente completo e arrumado
Gosto do ímpeto, das pulsões
e não me deixo guiar por manuais
vou ao acaso, sem rumo
em rectas ou curvas apertadas
por vezes, tão perigosas
que sinto que arrisco até demais.
Mas persisto.
Que fazer se é assim a única forma
de sentir que existo?

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/16/2005 03:29:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
domingo, maio 15, 2005
Um desafio para vocês


14001922_8b9efd0e39_o.jpg14001923_a6ab7bc6de_o.jpg14001924_74209871e4_o.jpg
14001925_611e4fb3bd_o.gif 14001926_0b82b2dd92_o.jpg 14001927_599b420084_o.jpg
14002133_0b6cff1987_o.jpg14002134_0238b792a1_o.jpg14002135_747cd414c1_o.jpg


Andei há pouco a dar a arrumação de que os meus cd’s há longo tempo necessitavam. Detive-me a meio da tarefa a olhar com um misto de saudade e ternura para alguns que, ainda em vinil, “fizeram” a minha juventude. Marcaram-na de forma tão profunda, que ainda hoje estão comigo e os ouço com alguma regularidade, apesar dos anos que passaram, uma enxurrada que os poderia ter empurrado definitivamente para o baú de recordações, como coisa morta. Mas não, aquela música, que tomou conta do mundo à medida que eu ia crescendo, era de tal maneira genial, que ainda hoje se mantém actual.
Costumo chamar àquela época, a década prodigiosa. Talvez seja um pouco de facciosismo da minha parte, mas não me parece ser um facciosismo doentio.

Está prestes a passar mais um ano sobre o lançamento de uma obra que marcou definitivamente toda a música popular, aquele que é considerado o primeiro álbum conceptual de todos os tempos, e que ainda hoje é considerado por muitos críticos, o melhor álbum de sempre :

Sgt Peppers Lonely Hearts Club Band, dos Beatles


Não me pronuncio sobre isso, acho muito difícil eleger só um como o melhor, mas como podem ver, faz parte deste pequeno lote que escolhi para aqui deixar, a relembrar a música da minha juventude. Foram estas “imagens” de música que aqui estão em cima, que mais me marcaram a vida.
Mas tenho sempre uma curiosidade grande de conhecer os gostos melómanos de quem me visita, e sei que cada um terá as suas "musicas" da juventude. É esse o repto que aqui vos deixo, o de aqui mencionarem as obras musicais que mais vos marcaram a juventude.

Nota de rodapé - Se quiserem, sugiram também música para tocar ali ao lado, no player. Se pertencer à minha discoteca, de certeza que ali soará

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/15/2005 08:27:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
quinta-feira, maio 12, 2005
Fardas e Uniformes. Fantasias

13452381_4ad6bf7eef_o.jpg 13452382_9ce6b03e0d_o.jpg 13452380_278c4507f9_o.jpg


Há uns tempos atrás, num jantar onde estiveram presentes muitos amigos e amigas daq blogoesfera, surgiu a questão de homens terem fantasias com mulheres fardadas ou uniformizadas (a verdade é que penso que o inverso também é verdade, e que as mulheres se sentem muito atraídas por fardas, pelo menos é o que consta))
Ora eu não vejo qual é a dúvida e acho isso absolutamente normal. Senão, vejam-se os exemplos que aqui deixo. Será mesmo possível resistir a fardas?

Mulher, o teu apelo sensual
está presente sempre que apareces
não há maneira de resistir ao chamamento
nua ou vestida, adornada ou ao natural
Irresistível és, vestida de enfermeira
de mulher polícia ou de bombeira
de hospedeira de bordo ou de padeira
de empregada doméstica ou mesmo freira


13452517_e809b9979c_o.jpg


Nota de rodapé - Como devem ter reparado, hoje mais que nunca, a música serve de pano de fundo ao conteúdo do post

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/12/2005 09:54:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
terça-feira, maio 10, 2005
Mar

13278287_5b25de566d_o.jpg
Há uma brisa leve, morna, quase indetectável
que, insidiosa, me arrasta o coração para alto-mar
e neste tempo liso, de bonança
me deixa ao largo, indefeso, à deriva, naufragar

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/10/2005 04:04:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, maio 09, 2005
Lábios



*







É esse rubro entreabrir molhado
dos teus lábios
o apelo mudo, provocante
a boca, morango fresco e carnudo
de um vermelho retinto e tão aberto
como o sol poente do deserto
És tu, é a tua boca, é tudo,
é estar longe,
e querer estar sempre perto,
Beijos!
Como evitar a associação?
É a irrecusável chamada dos desejos
a fremente e constante comoção,
o frio penetrante que se acaba num sorriso
e de repente me transforma num vulcão.
Depois, é o acordar,
lento, indesejável,
com ele, foge-me o sonho, a ilusão,
e a tua imagem
Fica-me o sabor quente dos teus beijos
e os teus sussurros de amor quase inaudíveis
que me são soprados leves,
pela folhagem

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/09/2005 04:57:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Do Cinema

13069737_1bb834f971.jpg


A minha Amiga e Errante Cecília, passou-me este testemunho. Aceitei-o, porque embora não simpatize muito com as chamadas "correntes",o móbil me agrada muito. Agora, parece que só falta lembrarem-se da música, e eu fico a aguardar

1. Qual o último filme que viste no cinema?
Como já aqui referi há uns dias, desde que as pipocas implantaram a sua ditadura, a minha ida a salas é muito espaçada. Vou preferindo a comodidade do sofá.Se não estou enganado, o último filme que vi numa sala de cinema, acho que foi o "Lost in Translation"

2. Qual a tua sessão preferida?
Qualquer uma da tarde

3. Qual o primeiro filme que te fascinou?
Ainda criança. houve vários. Creio que todos os clássicos do Walt Disney. Depois, já na adolescência, talvez "Beckett", pela excelência da interpretação de Peter O’Toole.

4. Para que filme gostarias de te ver transportado(a)?
Esta é uma pergunta difícil de responder. Mas como tenho que responder, talvez para o interior do navio do filme "E la Nave Va", de Frederico Fellini. Ou talvez para a atmosfera de Veneza, no "Morte em Veneza"

5. E já agora, qual a personagem de filme que terias gostado de conhecer um dia?
Sem dúvida, e por razões que já apontei em coisas que antes escrevi, que gostaria de "conhecer" o Alfredo, o projectista de Cinema Paraíso

6. E que actor(actriz)/realizador(a)/argumentista/produtor(a) gostarias de convidar para jantar?
Haveria muitos. Por isso nesta, vou adoptar a ideia da Cecília, e fazer também uma festa. Convido o Michael Nyman para tocar o seu piano prodigioso durante o jantar, de preferência que toque uns excertos d’O Piano. Para o jantar convidava o Nani Moretti, que sinto ser uma pessoa extraordinária de humanidade. Além de toda a admiração que tenho por ele, impressionou-me o sentido de humor com que discorreu sobre a sua doença em “Querido Diário”, a sua recusa em se deixar subjugar pela depressão, preferindo enfrentar a fatalidade com um sorriso nos lábios. Convocava também, e porque lhes admiro, além do talento, a grande beleza física, e nestas coisas de festas, a beleza é essencial, a Charlize Theron, a Andie McDowell e a Sophie Marceau. Para registar o evento, chamava o Luc Besson

7. A quem vou passar isto?
Ao Alex, à Stillforty e à Lique.

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/09/2005 10:28:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
quinta-feira, maio 05, 2005
Afectos II - Over the Rainbow

12488036_80c10fa107_o.jpg12488037_6f007276d0_o.jpg 12488038_ca51a6a606_o.jpg
12488038_ca51a6a606_o.jpg v202.gif12488037_6f007276d0_o.jpg


És Dorothy*,
plena de esperança
correndo a estrada de tijolo amarelo
(por vezes imagino-te até a trança)
ou subindo o arco-íris,
sonhadora
na busca de amor e de carinho,
de tudo quanto a vida
tem de belo,
que para ti vale mais
que todo o ouro
e sei que é o que tens como tesouro.
Assim te sinto eu,
quase menina
sem sombra no olhar,
o riso acetinado,
e ouço-te o bater do coração
inquieto
mas doce e apaixonado
e a compasso, a voz afectuosa
e cantada,
reflexo de uma alma,
bela como noite de luar
Conhecendo-te,
volta-se de novo a acreditar
em sentimentos nobres, sonhos de criança
relembram-se contos de fada,
cantigas de embalar



* - Para que não se suscitem dúvidas excusadas, esclarece-se que Dorothy é a "protagonista" interpretada por Judy Garland no filme "The Wizard of Oz", a menina que percorre a "Yellow brick road" e voa "Over the rainbow". Não se tratou, portanto, de um lapso do autor

12527282_7de58bef9c_o.jpg

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/05/2005 04:32:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
quarta-feira, maio 04, 2005
Vizinhos II

Pois ontem lá andava a cadela da minha vizinha a roçar o cú pela calçada. A propósito, acho que a dona vai ter que gastar outra vez um balúrdio no salão de beleza para voltar a pôr a bichana como estava, porque era toda branquinha e agora está com os quartos traseiros todos encardidos. A bicha é daqueles animais todos não me toques a quem os donos fazem uns cortes de pêlo tão apaneleirados que se os animais tivessem raciocínio, nunca mais lhes perdoavam. Esta então, como poderão verificar pela fotografia que junto, é um must. Na rua só lhe chamam a Madame Pompadour, e a dona, que por acaso é assim para o baixito e rechonchudo e tem um pequeno buço, é conhecida como Sancho Pança. Por coincidência, fui eu que “baptizei” ambas.
Bem, mas a minha relação com os cães aqui da vizinhança não é realmente a melhor. O Adérito tem um daqueles cãezitos que têm o queixal de baixo, mais saído que o de cima, e a primeira vez que o vi, estava a estorvar no meio do caminho, e eu desviei-o gentilmente com a ponta do pé e sem querer pisei-lhe o rabo. E o bicho tomou-me de ponta e sempre que eu entrava na tasca, começava-me a rosnar e uma vez ainda me conseguiu deitar os dentes a umas calças novinhas. Mas costuma-se dizer que quem com ferro mata...Ora o cão apanhou uma camada de pulgas das antigas e o Adérito disse-me:
- O Pluto (é o nome do canito, que é filho da Pluta, uma cadela rafeira que ele tinha) anda cheio de pulgas, e como tem muitas comichões, anda-se a roçar por todo o lado para se coçar, e enche a malta toda de pulgas. Anda-se tudo a queixar, já ando a perder clientes e não sei o que hei-de fazer!
Foi aí que vi uma maneira de me vingar do episódio das calças. E disse ao Adérito:
- Não tens um pulverizador de DDT? Metes o açaime no cão, eu seguro-o e tu pulverizas o animal.
- Boa ideia! – respondeu o Adérito
- Mas se calhar, como são muitas pulgas, o melhor é juntares um bocado de creolina ao DDT, sempre fica mais forte.
Bem, o Adérito concordou, foi à drogaria comprar à creolina e juntou-a ao DDT como eu tinha sugerido. Meteu o açaime ao cão, e assim em segurança, lá o agarrei pela cabeça, enquanto o dono o começava a sulfatar pela parte de trás. O pior é que mal levou a primeira sulfatadela, o animal mandou um berro que se ouviu na rua toda, soltou-se-me das mãos e fugiu a uma velocidade estonteante. O Adérito ficou tão surpreendido como eu, embora eu já esperasse que a coisa desse para o torto.
Só vos digo, no dia a seguir quando vi o cão muito cabisbaixo, até tive pena dele. Então é assim, o cão não se conseguia sentar e andava com as patas traseiras muito abertas e só quando o vi por trás é que me apercebi bem das proporções da tragédia. O sítio que tinha sido sulfatado perdera o pêlo todo, e no meio daquela desolação, o par de penduricalhos todos pelados, muito cor-de-rosa. Parecia uma árvore de Natal só com duas bolas e as duas da mesma cor. Era um espectáculo digno de se ver.
O Adérito mal me viu, começou a mandar vir comigo, mas por fim eu fiz-lhe ver que as pulgas se tinham ido todas, e isso era o objectivo principal. Ele como não deve muito à inteligência, acabou por concordar comigo.

Agora vamos então à história do triângulo amoroso Etelvina-Machado-Artur.
Pois bem, eu há uns tempos que desconfiava que o Machado era um bocado esquisito. Começou quando um dia eu estava sentado num dos bancos corridos do Adérito a jogar dominó com o Albino, e ele se sentou ao meu lado a comer um pires de jaquinzinhos. Ele pegava no jaquinzinho pela cabeça, comia-o, e quando ficava só a cabeça estendia a mão e dava-a ao gato do Adérito. Só que o gato estava sentado ao pé de mim, mas do outro lado, e ele para lhe dar as cabecinhas, passava-me a mão pela frente das calças e ria-se muito. E eu comecei a desconfiar que ele estava a ver se me acontecia a mesma coisa que sucede quando como amendoins e no fim tenho que sacudir aquelas cascas finas do colo.
Não sei como é que ele conheceu o Tripé (nem percebo bem porque é que chamam isso ao Artur), o que é certo é que começaram a aparecer os dois muita vez juntos, lá pela tasca do Adérito. Ora o escândalo sucedeu numa quinta-feira em que a Etelvina voltou mais cedo da banca que tem na praça de Campo de Ourique. Ela vinha doente porque no dia anterior tinha abusado do feijão carrapato, e não ficou melhor quando apanhou o marido com o cabo-verdiano na cama. Nem queiram saber, saíram de lá os três aos gritos, os dois homens em trajos menores (embora os do Machado fossem bem menores que os do Artur), foi um burburinho na rua, e a Leopoldina, que é uma velhota de 83 anos que vive ao lado deles, desmaiou quando o Artur passou por ela, não sem antes dizer que há muito que não via daquilo. Não sei a que é que ela se referia, mas devia ser à escandaleira.
A Etelvina estava pior que uma fera, e meteu a roupa do Machado toda na rua. Nunca pensei que ele usasse espartilho e cintos de ligas! Muito menos, cuecas fio-dental de renda negra. Podem acreditar, para mim foi um choque saber que o Machado que eu já conhecia há tantos anos, agasalhava!
Mas também acho que devia ter havido um bocado mais de decoro da parte da Etelvina, que veio para a tasca contar todos os pormenores do grave acontecimento. Eu ainda me chateei com ela, porque quando lhe perguntaram o que se tinha passado, ela disse que tinha apanhado o Artur a desentupir o algeroz ao marido, e eu perguntei-lhe se afinal o Artur era trolha ou era canalizador, e ela olhou para mim e disse- me:
- Tás armado em totó, ou tás-me a gozar?
Eu fiquei com cara de parvo a olhar para ela, mas depois quando ela explicou os detalhes, eu lá percebi que ela estava a usar uma figura de estilo.

Agora o Machado está a viver na pensão da Adozinda com o Artur. Fazem um lindo par, é o que vos digo. Nunca esperei foi ver os dois a entrarem pela tasca de braço dado. Ganda lata!
Só faltava agora a Etelvina começar a fazer-se ao piso à minha Elisa!
A propósito de Elisa, a tia dela não me larga com a porcaria da história do “compromisso sério”. Até me preparou um jantar “especial” no domingo passado. Ainda me ando a recuperar dele!

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/04/2005 09:33:00 da manhã | Permalink | | ( 0)Comentários
segunda-feira, maio 02, 2005
Vizinhos

Toda a gente a quem digo onde moro, me elogia a localização da casa, e se a conhecem in loco, então é que é. É a vista do Tejo, ali todo estendido aos pés da rua, é o facto de ser no centro de Lisboa, com acesso privilegiado a toda a cidade, é ser uma zona bem frequentada, e por aí fora.
Pois, vê-se logo que não me conhecem a vizinhança.
Foi precisamente sobre os vizinhos que hoje me decidi debruçar, e fazer um balanço sobre as relações que aqui tenho criado, mas nem pensem que vou falar da Elisa, que ela nos últimos tempos tem andado com umas saias e umas camisolas de malha tão justas que eu noutro dia, quando passei pelo lugar da fruta, ia desmaiando quando vi uma senhora sair com um par de meloas num saco de plástico, e passei a noite toda a ter pesadelos com aquelas frutas. Andei quase uma semana para me recuperar.
Aqui há tempos, comprei um tapete para pôr à porta, como toda a gente. Pois a vizinha de cima tem uma cadela que, não sei por que carga de água, habituou-se a vir ao tapete, agachar-se, e lá vai mijadela (por vezes com “acompanhamento”). Comecei a andar danado porque me fartei de limpar o tapete e as pessoas que cá vinham, mesmo assim queixavam-se que cheirava mal, e diziam que a minha casa cheirava a cão. Decidi comprar um tapete novinho em folha, e logo no primeiro dia tive “presente”. Foi aí que tive uma ideia brilhante: no dia a seguir, e com o tapete lavadinho, despejei-lhe um bom bocado de pimenta em cima. Claro que a cadela não falhou a visita, e eu a espreitar por uma pequena fresta da porta. Ela agachou-se e a pimenta cumpriu tão bem a sua missão que o animal já nem mijou, começou caím, caím, e saiu a roçar as partes baixas pelo chão. Em cheio, tinha descoberto a solução para os meus problemas.
No outro dia no café, lá estava a vizinha a comentar com um ar muito preocupado, que tinha que ir com a cadela ao veterinário, porque passava o tempo a roçar o cú pelo chão e a ganir. Eu até me meti na conversa e lhe disse que aquilo deviam ser lombrigas, pelo que ela devia ter cuidado com o que dava de comer ao animal, e ela respondeu que se calhar era isso.
Bem, mas isso já foi há um ano, e ontem tive que comprar um tapete novo, que o outro já estava gasto, e esta manhã cá estava assinalada a presença do raio do animal que pelos vistos tem memória curta. De modo que hoje, lá vou ter que espalhar pimenta no tapete.
Amanhã volto para contar o que se passou, e também da Etelvina que mora aqui em frente, ter apanhado o Machado, que é o marido, com o Artur, que é um trolha cabo-verdiano que trabalha numa obra na rua de cima e a quem os colegas de trabalho chamam “o Tripé”, na cama. Mas isso é mesmo só amanhã.

Nota - Espero que agora mudem a frase "Quanto mais uma pessoa se agacha, mais o rabo se lhe vê", para "Quanto mais um cão se agacha, mais o rabo lhe arde"

Escrito por: VdeAlmeida, em 5/02/2005 02:02:00 da tarde | Permalink | | ( 0)Comentários
Estou no Blog.com.pt